Voltar          

Há mais de 2.700 anos atrás Deus deixou escrito... 

“- Olhai para mim e sereis salvos, vós, 
todos os cantos da terra, porque eu sou Deus 
e não há outro!"

Há muitas gerações atrás, muito antes de você e eu existirmos, 
houve um casal ancestral e comum a nós dois...
Eles não eram uma transição entre homem e animal, 
muito ao contrário. 
Eles tinham uma capacidade intelectual e física 
infinitamente superior à raça humana atual. 
Eles puderam nomear toda a natureza sem a ajuda 
de equipamento algum! 
Eles também eram imortais, ou seja, nunca 
envelheciam, adoeciam ou morriam. 

Eles haviam sido criados pelo mesmo Deus que criou os 
céus e a terra (e tudo o que há neles). 
Mas a imortalidade e a vitalidade deles 
requeriam um cuidado:

Eles dependiam da conformidade com o caminho 
de Deus, sob pena de se tornarem mortais. 
A razão disso HOJE nos parece óbvia: 
Viver muito, para um coração puro perpetuaria a paz, 
mas para um coração maldoso até um tempo de vida 
muito limitado seria só sofrimento! 
Imagine os grandes homicidas da história 
vivendo para sempre! 

Outra coisa óbvia: Também não poderia mais 
haver imortalidade se as doenças e as dores que elas 
impõem passassem a existir (como passaram). 
Imagine alguém sentindo as dores de uma doença 
cruel eternamente e sem nunca morrer! 

Por isso, o Senhor avisou aos nossos pais: 
“- No dia em que me desobedecerem, 
vocês herdarão a morte!”

Ora, naquela época já havia passado muito tempo desde que 
o Senhor houvera criado uma outra espécie de ser, muito 
superior à raça humana.
Essa espécie é muito numerosa embora não tenha a 
capacidade de se reproduzir. 
Entre eles houvera, antes da Criação, uma rebelião que 
resultou na expulsão do líder e dos seus seguidores para 
longe da presença de Deus. 
Este líder arremeteu contra o casal humano fazendo-os 
cometer o mesmo crime que o dele: rebelião! 

Mas o Senhor, apesar de ter tirado a imortalidade e 
a vitalidade do ser humano, lhe fez uma promessa: 
No futuro haveria um libertador que triunfaria sobre 
as enfermidades, as dores e a morte e devolveria 
para a espécie a sua dignidade original, 
salvando-a dessa maldição. 

Porém não seria uma promessa ostensiva e automática a 
toda a sua descendência, mas somente àqueles que 
reconhecessem o salvador enviado e aceitassem o Seu 
plano de salvação, pois Ele pagaria pessoalmente a pena 
pelo crime de rebelião. 
Desde então milhares de pessoas tem sido alcançadas 
ao redor do mundo e tem se rendido ante o grande gesto 
de amor que Deus lhes demonstrou 
ao permitir que o Seu Filho morresse no lugar deles. 
Quando alguém aceita que outra pessoa pague a sua 
fiança ou a sua pena, ele fica livre da condenação, 
concorda? 

Mas se não aceitar ele continua na condição original, ou seja, 
continua como réu. 
Esta é a situação e esta é a salvação de que tanto falam 
os cristãos em todo o mundo. 
Mas é preciso saber que não se trata apenas do perdão 
pelo crime herdado dos primeiros pais. 
A pior consequência daquela falha, que foi a de gerar 
uma descendência decadente e corrompida, também 
é resolvida pela ação de Deus diretamente na sede da alma 
humana, chamada tradicionalmente de coração
Isso garante que cada pessoa alcançada não tenha mais 
prazer na injustiça e na corrupção, chegando ao ponto 
de alterar a sua personalidade e o seu caráter. 
Hoje contam-se aos milhões os testemunhos de pessoas 
resgatadas das piores drogas e das mais terríveis situações 
de humilhação, revolta ou servidão. 
A grande maioria desses casos significou o livramento 
da morte para essas pessoas. 
Hoje elas são livres e dedicam parte das suas vidas para 
demonstrar a sua gratidão e testemunhar o que Deus fez 
por elas através da música, da amizade e da sua 
postura no meio da sociedade. 
E sabe o que é preciso fazer para ser liberto dessa 
pena de rebelião? 

Buscar a reconciliação com Deus, 
pedindo-lhe perdão pelas suas falhas e 
recorrer da pena pelo crime herdado 
apelando ao pagamento da fiança 
através sacrifício de 
Jesus na cruz. 

Lembra-se daquele líder dos rebeldes que mencionamos 
no princípio? 
Como ele fez a nossa espécie cometer o mesmo crime 
que ele, todos aqueles de nós que não escaparem 
dessa culpa, cumprirão a mesma pena e no mesmo 
lugar que ele e os seus comparsas. 

A maioria das pessoas não consegue aceitar essa 
“herança maldita” mas
a realidade é como se todos 
fôssemos descendentes de um casal delinqüente que 
teve seus filhos dentro de uma ilha penitenciária. 
Ignorar não muda a história! 

E então, agora você já sabe do que deve ser salvo?
Não gostaria de nos contar a sua história e as suas dúvidas 
a respeito do que revelamos aqui? 
Escreva-nos e te responderemos com grande prazer!


cvricas@sti.com.br